Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 03 de Julho de 2015

Sexo a três


Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


Esta é contada em corredores da Ordem, discorrendo sobre a vida de um homem, chegado às letras jurídicas, 56 de idade, viúvo. Ele é habituê de saídas às sextas-feiras em tentativas de refazer a vida social e arrumar companhia social e sexual.

Num ambiente desses de encontros da terceira idade ele conhece uma mulher - digamos - bonita, bem conservada, um ano mais velha do que ele. Prestem atenção: este detalhe etário é fundamental.

Ela puxa conversa e aparenta ser interessante. As horas avançam, eles libam bom uísque, a conversa avança e chega ao tema sexual...

Mais diálogos e ambos admitem uma relação mais íntima. Fantasiam também... Ela pergunta o que ele acha de uma transa a três.

O cidadão acha o máximo, diz que não tem problema, pensa ter tirado a sorte grande. Vem a sugestão de irem ao apartamento dela.

Atenção! É aí que a coisa começa a ficar perigosa.

Entrando no apê, ela tranca a porta e grita:

- Mãeeee, chegamos!!!...

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

 

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

Um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induziam-nos, no passado, a grande medo e precauções. Mas, “não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´”...

Charge de Gerson Kauer

O usucapião da mulher

 

O usucapião da mulher

Em um famoso bar de Porto Alegre, dois advogados e um juiz e um garçom discutem o inusitado: a posse mansa e pacífica de uma mulher. Mas a conclusão a que chegam – depois do palpite do garçom - é que “manso e pacífico” é o corno namorado dela.

Charge de Gerson Kauer

´Strip-tease´ antijurídico...

 

´Strip-tease´ antijurídico...

O novel e tímido juiz, recém nomeado, caiu numa esparrela criada por astutos operadores jurídicos e aceitou comparecer a uma festa de aniversário. Num sítio, “coelhinhas” profissionais protagonizaram um “tira-a-roupa” que acabou causando a defenestração do magistrado. Foi o fim do estágio probatório dele.

Charge de Gerson Kauer

O tio tarado

 

O tio tarado

A surpresa da sobrinha, ao descobrir que um titio bem aquinhoado espiava e gravava os banhos dela. Ele usava uma microcâmera incrustada em um cano verde, no meio de folhagens. O acórdão deplora o “caráter degenerado e depravado” do homem que também gostava de bonecas infláveis.

Charge de Gerson Kauer

“Dei porque quis” !

 

Dei porque quis” !

Na empresa de engenharia, a Virginia (solteira) era uma funcionária competente e curvilínea. E foi, justo por esse dublê, que ela atraiu a admiração profissional e a cobiça pessoal do gerente-geral Onofre (casado). Mas o assédio sexual não era bem isso... E tudo ficou esclarecido quando ela prestou depoimento pessoal.

Charge de Gerson Kauer

Teste para reprovar estagiário

 

Teste para reprovar estagiário

O desembargador recrutava mais um estagiário para reforçar seu gabinete jurisdicional. Além da cultura jurídica, o escolhido deveria ser inteligente, esperto, ativo etc. Na última etapa da seleção, o candidato foi preterido por não acertar o número do box de garagem em que estava estacionado o automóvel oficial (de placas discretas) usado pelo presidente da Corte. Detalhe: o leitor do EV é convidado, também, a fazer o mesmo teste.