Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Julho de 2015


Eros Grau retorna à Advocacia


Imagem da Matéria

O consórcio vencedor do leilão do aeroporto de Campinas contratou o ex-ministro do STF Eros Grau para a defesa contra o pedido de impugnação do edital. Participam da defesa também os advogados Sérgio Bermudes e Tércio Sampaio Ferraz.

O grupo Odebrecht, segundo colocado na licitação, pediu a eliminação do consórcio vencedor, formado pelas construtoras Triunfo e UTC e pela operadora aeroportuária Egis Avia, da França.
 
O grupo ofereceu R$ 3,8 bilhões para ficar com a concessão. Outro recurso, da ES Engenharia, foi impetrado contra o resultado. A comissão de licitação da Anac, responsável pelo leilão, tem até o dia 16 para responder.
 
A Odebrecht diz que a Egis não cumpriu as exigências documentais e que a declaração de que ela opera um aeroporto com mais de 5 milhões de passageiros ao ano foi dada pela própria empresa e não por uma autoridade. Além disso, a empresa diz que a Egis tem apenas 20% de participação nessa unidade, que fica no Chipre.

Gaúcho de Santa Marria, às vésperas da data (19 de agosto de 2010) em que completaria 70 anos de idade, quando seria compulsoriamente aposentado do cargo de ministro do STF, Eros Grau apresentou requerimento de aposentadoria voluntária.

Então deixou de integrar a corte em 2 de agosto de 2010, pouco antes de votar a constitucionalidade da lei da ficha limpa. O acontecimento empatou e atrasou a aprovação da lei, o que permitiu que inúmeros políticos fossem reeleitos.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Pesquisa revela que 89% dos brasileiros são favoráveis ao Exame de Ordem

Pesquisa do Instituto Datafolha – encomendada pelo Conselho Federal da OAB – ouviu 2.125 pessoas. Destas 1.891 disseram-se favoráveis ao certame. E 94% dos entrevistados querem que médicos e engenheiros se submetam a semelhantes exames, para poder exercer suas profissões.

Arte de Camila Adamolli

“Uma decisão da Justiça gaúcha que é uma afronta à dignidade profissional do advogado”

 

Uma decisão da Justiça gaúcha que é uma afronta à dignidade profissional do advogado

Ao salientar que o profissional da Advocacia “não pode perder a capacidade de indignação com a injustiça”, Carlos Thomaz Ávila Albornoz - mais de 40 anos de profissão, há oito anos conselheiro seccional da OAB - deplora o menosprezo de alguns magistrados à atividade advocatícia. E alerta os colegas para que não cometam o mesmo erro dele: “quando a verba sucumbencial for irrisória deve ser requerida a assistência da Ordem”.