Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos  Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Advogado quebra, mas não verga!

 

Advogado quebra, mas não verga!

Antes nós tínhamos juízes que pensavam e agiam como deuses; a gente foi deixando, fazendo piada, aguentando, às vezes brigando... Agora há também gabinetes jurisdicionais que são templos que abrigam deuses (“eles...”), semideuses (assessores) e vice deuses (estagiários). Que saudade do tempo em que só havia deuses!”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937)

Arte de Camila Adamoli

Dezoito anos em busca de uma indenização

 

Dezoito anos em busca de uma indenização

A dor de uma advogada gaúcha que perdeu seu marido em acidente de trabalho ocorrido em 1978. Os impropérios na contestação do Estado. A indenização pífia. O precatório que não é pago. “Estou, até hoje, engasgada; a minha dor é a de tantos seres humanos injustiçados”.

O preconceito dos juízes em relação aos honorários advocatícios

O conhecido jurista – juiz de carreira e ex-presidente do TJRS – aborda a síndrome de onipotência que acomete alguns magistrados. “Indica verdadeiro colapso da ordem jurídica quando eles chegam a esse inacreditável ponto de esquiva ao cumprimento da norma por não gostarem dela”.

O usucapião extrajudicial

Instituído pelo novo Código de Processo Civil, o procedimento ocorre diretamente no Registro de Imóveis da comarca em que estiver jurisdicionado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado e representado por um advogado”. Artigo de Rodrigo Isolan, tabelião substituto.

O preço de não dialogar e a mediação

Quando você estiver num conflito, e pensar em ajuizar uma ação para que o Poder Judiciário lhe dê uma resposta, pense bem”. Artigo de Eliana Giusto, advogada e mediadora.