Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos
 Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sucumbência inoportuna

“Se a sentença for prolatada após a edição da Lei nº 13.467, é legal a condenação em honorários de sucumbência para o vencido, ainda que a inicial tenha sido distribuída antes da edição da referida lei”. Artigo da juíza do Trabalho Olga Vishnevsky Fortes

Bloco da saúde no STF

“Enquanto havia pendências no STF, empresas de planos deitaram e rolaram. (...) Os idosos teriam que arcar com a culpa, expressa em pecúnia, por demandar assistência para seguir envelhecendo”. Artigo de Ligia Bahia, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Advogado, você precisa mesmo de um escritório físico?

“Se você está em dúvida entre advogar e prestar concurso público - ou mesmo abandonando o barco porque não aguenta mais as despesas - esqueça o aluguel da sala, as contas de luz, etc. Gente com visão de futuro já carrega seus escritórios na mochila, dispensando o espaço físico”. Artigo do advogado Pedro Custódio (OAB-SP nº 350.531).

Lamúrias infundadas

“Os desagradáveis e já insuportáveis lamentos do Executivo Federal sobre a tal nomeação de uma deputada para ocupar o Ministério do Trabalho”. Artigo do advogado Antonio Silvestri.