Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,20 de Dezembro de 2016.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos
 Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Teto constitucional, acumulação de cargos e contradições

“Um dos projetos aprovados pela Comissão Especial do Extrateto do Senado Federal contém contradição com o próprio texto constitucional. É o caso da aplicação do teto nas hipóteses de acumulação de cargos”. Artigo do advogado Adovaldo Dias de Medeiros Filho.

Os corruptos são felizes?

“Mais uma face desse espelho distorcido que engana a tantos: olhe no rosto daquele que você julgar corrupto, tente buscar um sinal de felicidade e não encontrará!”. Artigo de Alvaro Fernando, autor de “Comunicação e Persuasão – O Poder do Diálogo”.

Medo do Poder Judiciário?

“As leis e regras criadas pelo Legislativo têm preferência, pois resultam da arena democrática. Mas não é preferência absoluta”. Artigo de Carlos Luiz Strapazzon, doutor em Direito (UF-SC).

O Supremo contra o Supremo

“Em 2015, em 84% das decisões o ministro decidiu sozinho. Ao plenário, foram somente 2,4% delas. Onze Supremos. Por tolerar que os ministros não devolvam no prazo os pedidos de vista, transformaram este procedimento administrativo em velada arma de políticas e interesses inconstitucionais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor e diretor da Escola de Direito da FGV-Rio.

Juízes que fazem as suas próprias leis

A Constituição do Brasil afirma, em seu artigo 2º, a independência e harmonia entre Legislativo, Executivo e Judiciário, o que supõe que cada um dos Três Poderes se limite a exercer as funções que lhe cabem. Daí que o Judiciário não pode legislar. Essa é uma prerrogativa do Legislativo”. Artigo de Eros Roberto Grau, ministro aposentado do STF.

A união estável e a capacidade civil

O Estatuto da Pessoa com Deficiência afirma peremptoriamente que a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive para casar-se e constituir união estável”. Artigo de José Carlos Teixeira Giorgis.