Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 31 de Maio de 2016.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos  Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado com o prazo para a citação por edital!

Pelo novo Código de Processo Civil, "incumbe ao autor adotar, no prazo de dez dias, as providências necessárias”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, serventuário da justiça aposentado.

Nem as moscas

 

Nem as moscas

Ouvi de um pessimista que, desta vez, ´nem as moscas mudam´. De fato, a nominata do Ministério Temer passa a ideia sugerida pela fala de certa personagem de Giuseppe di Lampedusa, em Il Gatopardo: as mudanças se fazem para que tudo continue como está”.

Judicialização e impeachment

O Judiciário, ao contrário dos demais Poderes, pode interferir diretamente no resultado das atividades do Legislativo e do Executivo (por via do controle da constitucionalidade e da legalidade), mas – também nisso diferente deles – não se move por iniciativa própria”.

Novos contratos da construção civil e resolução de disputas

“Ainda que a opção pelo Poder Judiciário seja prática comum, os contratantes têm optado pelas chamadas ´soluções alternativas´ de conflitos, em que a arbitragem reina”. Artigo dos advogados Luis Renato Ferreira da Silva e Guilherme Carneiro Monteiro Nitschke.

Anatel: o sindicato das empresas de telefonia

O País precisa aplicar a lógica dos direitos do consumidor. Quando se examinam os baixos índices de crescimento da economia, nem sempre se levam em conta fatores que violam as mais elementares relações de consumo”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.