Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 17 de abril de 2018.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos
 Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Que a voz da mulher seja ouvida!

Na política, as leis que protegem a distribuição de vagas entre candidatas e candidatos são insuficientes e não respeitadas. Há previsão de vagas, mas a visibilidade e os recursos necessários não lhes são alcançados, fazendo com que as candidatas ´morram na praia´, num jogo de faz de conta”.

Lesões corporais culposas graves ou gravíssimas em acidentes de trânsito

O julgador que pretender desprestigiar princípios constitucionais de interpretação em Direito Penal, e aplicar qualificadoras não cristalinamente esclarecidas, estará desrespeitando o princípio republicano da separação dos Poderes”. Artigo do advogado César Peres.

 

O código da civilidade e da paz

O juiz diretor do Foro da Comarca de Pelotas, Marcelo Malizia Cabral, conclama os moradores de sua cidade a que “repensem suas condutas e ajam conforme pretende o pacto social, respeitando o próximo e o direito do próximo”.

Chargista Baggi – Jornal de Brasília

Leis que “legitimam” o auxílio-moradia?... Onde estão elas?

 

Leis que “legitimam” o auxílio-moradia?... Onde estão elas?

Um precedente ocorrido no RS e já julgado pelo Supremo em 1987, permite um alerta à sociedade que não tolera o privilégio imoral: as vantagens previstas no art. 65 da LOMAN - entre as quais está o malfadado penduricalho residencial - dependem de leis formais. Dos governadores para ajudar os respectivos juízes estaduais. Do Presidente da República para aquinhoar os juízes federais. Estas leis não existem! Artigo do advogado Marco Antonio Birnfeld (OAB-RS nº 6.477) e jornalista.