Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos
 Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Tá lá a macaca estendida na Ponte

“A entrevista do goleiro Aranha, no final do jogo, foi como ele é, patético. É burro, podia aproveitar a oportunidade para ser elegante, mas ele não sabe o que é isto”. Por Carlos Josias Menna de Oliveira, advogado e conselheiro do Grêmio.

Aventuras de um juiz aposentado

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos”. Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

Arte de Camila Adamoli sobre ilustração do chargista BIER

A subversão da lógica do sistema legal consumerista

 

A subversão da lógica do sistema legal consumerista

Retirar a aplicação do CDC sobre os contratos dos planos de saúde – como querem as operadoras – não tem fundamento jurídico algum. “Elas buscam apagar a primazia da realidade: o contratante é um consumidor, sim; e as seguradoras são fornecedoras. A manobra só atende aos interesses da parte mais forte da relação”. Artigo do advogado Dionísio Renz Birnfeld. 

Quando a inteligência do advogado prejudica o cliente

Juízes brasileiros têm demonstrado um brilhante ativismo judicial "- devido à dificuldade de o Poder Legislativo acompanhar a evolução dos anseios da sociedade. Daí surgem decisões que amputam direitos e extrapolam o exercício da magistratura”. Artigo do advogado Enéias de Medeiros.

O direito ao esquecimento

“A liberdade de pensamento e expressão tem colidido com a reserva da privacidade, a proteção da honra, a preservação da reputação e com a conspurcação da imagem”. Artigo do advogado Fabiano Machado (OAB-RS nº 61.271).