Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 28 de Junho de 2016.

Pensar em Dia Internacional da Mulher é pensar em luta - Artigo de Arilson da Silva



Artigos  Por Arilson da Silva,
presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em igualdade. Não por acaso a data 8 de março foi definida para lembrar as lutas das mulheres na sociedade por respeito, melhores condições de trabalho, valorização salarial, emprego digno, entre outras. A data nós faz refletir acerca de como a mulher é vista no ambiente de trabalho e como ela está sendo tratada.

De acordo com pesquisa realizada pelo Dieese na Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), as mulheres que trabalham no setor financeiro ganham menos que os homens, atendem mais clientes, são mais escolarizadas, são menos promovidas e ficam menos nos bancos. Esta realidade lamentável mostra que nossa sociedade não está respeitando as mulheres.

O mais agravante é que se a mulher for negra, sua situação no sistema financeiro é ainda pior, pois as oportunidades se limitam a cargos inferiores com pouquíssimas chances de ascensão. As mulheres encaram desafios diários nos bancos e ao perceber a falta de perspectiva, abrem mão do emprego, isso quando não são substituídas por outras mulheres que são mais jovens.

Pensar em dia internacional da mulher é pensar em respeito. Respeito aos direitos humanos, onde todos devem ser tratados com igualdade, onde o emprego seja uma conquista com base na competência e não no gênero. Ser valorizada, ter o direito de ser mulher, ser mãe, ter responsabilidades, são características marcantes nas trabalhadoras que lutam diariamente por reconhecimento.

A melhor forma de comemorar a data internacional da mulher é manter a luta por igualdade onde todas as pessoas são igualmente valorizadas. Parabéns, mulheres trabalhadoras pelo dia internacional.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A democratização do Judiciário: o momento para uma discussão racional

Mais de 98% dos juízes brasileiros não são pretos ou indígenas. Em outras palavras, 98% dos magistrados do Brasil possivelmente jamais sofreram uma abordagem policial em razão da cor da sua pele. E 98% dos juízes brasileiros possivelmente jamais sofreram o temor de perder um pedaço coletivo de terra que consideram sagrada”. Artigo de André Augusto Salvador Bezerra, presidente do Conselho Executivo da Associação Juízes para a Democracia

Fila ordinária” da ordem cronológica e “fila dupla” de idosos

O drama dos precatórios continua. “Não havendo recursos suficientes para saldar dívida bilionária, os valores são alcançados aos credores em doses homeopáticas. E os advogados estão sendo prejudicados nos pedidos de preferência”. Artigo do advogado Telmo Schorr.

O celular e o futuro da justiça

“Um jovem advogado de Pernambuco teve, em dois anos, mais de mil casos na justiça. Não tem escritório. Não tem secretária. Não tem biblioteca, mas tem um celular. E basta”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.

Politicamente (in)correto

“Sem negar o repugnante que é o racismo, sua criminalização ingressou no universo jurídico brasileiro com feição bizarra. Quem chamar o negro de macaco pratica um crime inafiançável; quem matá-lo, poderá talvez prestar fiança e responder em liberdade”.