Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 04 de Setembro de 2015

O lugar do crucifixo


Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nos anos 70, na comarca gaúcha de Tupanciretã, ali assumiu um juiz defensor da laicidade do Estado brasileiro. Um de seus primeiros atos foi determinar a imediata retirada do crucifixo que adornava a sala de audiências.
 
O magistrado chamou o escrivão e, em tom irônico -  apontando para o crucifixo que, havia duas dezenas de anos, estava afixado na parede -  questionou:
 
- Quem é esse aí?...
 
- Ué, é Jesus crucificado - respondeu, com desconforto, o servidor.
 
- Retire-o imediatamente! - ordenou o juiz, curto e grosso.
 
Econômico nos detalhes da determinação, o magistrado acrescentou apenas que "isso é coisa para igreja, estamos em um foro judicial  e, ademais, aqui mando eu, que sou praticante do agnosticismo e defensor da laicidade".

O escrivão cumpriu a ordem imediatamente, mas - cauteloso - fez a comunicação de estilo, por ofício, ao presidente do TJRS da época. "O doutor juiz, recém chegado, falou-me em laicidade e agnosticismo, mas eu não sei o que é isso" - escreveu o servidor cartorário.
 
O crucifixo, enrolado em papel de seda, ficou guardado numa gaveta chaveada. E a presidência do TJRS não respondeu o ofício.
 
Ainda surpreso, algumas semanas depois o  escrivão foi buscar aconselhamento com um magistrado (Antonio Carlos Stangler Pereira), de comarca vizinha. O servidor queria também aculturar-se e saber o que era laicidade e agnosticismo - palavras pouco usadas na cidade.
 
O juiz Stangler abriu um livro de Teologia e mostrou as definições para o servidor:
 
Laicidade é “doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das Igrejas do exercício do poder político e/ou administrativo”.
 
Agnosticismo é “posição metodológica pela qual só se aceita como objetivamente verdadeira um proposição que tenha evidência lógica satisfatória; atitude que considera fútil a metafísica; doutrina que ensina a existência de uma ordem de realidade incognoscível”.
 
O escrivão entendeu pouco, mas retornou conformado a Tupanciretã.
 
O juiz agnóstico foi transferido, a pedido, um ano depois para outra comarca. Só então o presidente do TJRS respondeu, ao Foro de Tupanciretã,  o ofício de 12 meses antes.
 
A resposta foi curta, sem ser grossa: "o senhor escrivão deve recolocar o crucifixo em seu lugar de destaque, de onde aliás nunca deveria ter saído".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge Zun.Com.Br

O advogado burro e o deputado (in) escrupuloso

 

O advogado burro e o deputado (in) escrupuloso

A contestação a uma ação de despejo foi reveladora de que seu signatário não tinha o mínimo de formação cultural.  “O primarismo é palmar, de ignóbil nível de conhecimento jurídico, com erros crassos de português” – informou o juiz à OAB.

Charge de Gerson Kauer

Os cupins da desordem

 

Os cupins da desordem

Uma história autêntica de como os insetos – que, há nove anos, eram símbolo da degradação da sede da OAB-RS – tenham se transformado no talismã do atual vice-presidente nacional da entidade.

Charge de Gerson Kauer

Teste doméstico de audiometria

 

Teste doméstico de audiometria

O desembargador imagina que sua esposa esteja com dificuldades de audição e, preocupado, liga para o médico especialista. Este sugere que, desde logo, o magistrado vá aplicando um teste bem simples, para ser comentado por ocasião da futura consulta.

Charge de Gerson Kauer

O tatu de estimação

 

O tatu de estimação

O advogado viaja pela BR, vê um tatu atordoado na beira, para  o carro, utiliza um apetrecho que usava para pescas e pega o bicho. Coloca-o no porta-malas e segue viagem.  Alguns quilômetros adiante, um policial rodoviário manda parar o veículo... Crime ambiental?

Charge de Gerson Kauer

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

 

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de ´polenta´, ao invés do ´frango grelhado´ que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento”. Texto do advogado Maurício Brum Esteves.