Ir para o conteúdo principal

Terça - feira, 22 Agosto de 2017

O lugar do crucifixo



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nos anos 70, na comarca gaúcha de Tupanciretã, ali assumiu um juiz defensor da laicidade do Estado brasileiro. Um de seus primeiros atos foi determinar a imediata retirada do crucifixo que adornava a sala de audiências.
 
O magistrado chamou o escrivão e, em tom irônico -  apontando para o crucifixo que, havia duas dezenas de anos, estava afixado na parede -  questionou:
 
- Quem é esse aí?...
 
- Ué, é Jesus crucificado - respondeu, com desconforto, o servidor.
 
- Retire-o imediatamente! - ordenou o juiz, curto e grosso.
 
Econômico nos detalhes da determinação, o magistrado acrescentou apenas que "isso é coisa para igreja, estamos em um foro judicial  e, ademais, aqui mando eu, que sou praticante do agnosticismo e defensor da laicidade".

O escrivão cumpriu a ordem imediatamente, mas - cauteloso - fez a comunicação de estilo, por ofício, ao presidente do TJRS da época. "O doutor juiz, recém chegado, falou-me em laicidade e agnosticismo, mas eu não sei o que é isso" - escreveu o servidor cartorário.
 
O crucifixo, enrolado em papel de seda, ficou guardado numa gaveta chaveada. E a presidência do TJRS não respondeu o ofício.
 
Ainda surpreso, algumas semanas depois o  escrivão foi buscar aconselhamento com um magistrado (Antonio Carlos Stangler Pereira), de comarca vizinha. O servidor queria também aculturar-se e saber o que era laicidade e agnosticismo - palavras pouco usadas na cidade.
 
O juiz Stangler abriu um livro de Teologia e mostrou as definições para o servidor:
 
Laicidade é “doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das Igrejas do exercício do poder político e/ou administrativo”.
 
Agnosticismo é “posição metodológica pela qual só se aceita como objetivamente verdadeira um proposição que tenha evidência lógica satisfatória; atitude que considera fútil a metafísica; doutrina que ensina a existência de uma ordem de realidade incognoscível”.
 
O escrivão entendeu pouco, mas retornou conformado a Tupanciretã.
 
O juiz agnóstico foi transferido, a pedido, um ano depois para outra comarca. Só então o presidente do TJRS respondeu, ao Foro de Tupanciretã,  o ofício de 12 meses antes.
 
A resposta foi curta, sem ser grossa: "o senhor escrivão deve recolocar o crucifixo em seu lugar de destaque, de onde aliás nunca deveria ter saído".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

O seguro de sorte

 

O seguro de sorte

Na ação de um futebolista de média notoriedade, contra seu ex-clube, o pedido inusitado de indenização por perdas e danos, ante a não contratação de um seguro de... sorte.  A incorreta interpretação, por um dos advogados, diante de uma vírgula colocada no meio de palavras da cláusula oitava... O juiz aproveitou para dar sábias aulas de vernáculo.

Gerson Kauer

Chiclete cor de rosa

 

Chiclete cor de rosa

A sala está lotada de advogados, que esperam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses. Na primeira fila, um profissional da advocacia aguarda a sua vez. No canto da boca, masca uma goma de mascar, que expele bolhas...

Gerson Kauer

É dando que se recebe...

 

É dando que se recebe...

O advogado papão, com muito jeito e cautela, tenta se aproximar da juíza linda – ambos solteiros. Na segunda-feira, numa audiência, há troca de olhares. Na quinta, ele é atendido para “conversar sobre um processo”. Atos finais: um tapa na cara e voz de prisão...

Charge do Kauer

A rifa íntima

 

A rifa íntima

 Ao atender uma possível nova cliente para uma “causa de família”, o advogado porto-alegrense – bem instalado em prédio classe A - se surpreende com a pretensão da chamativa visitante. Ex-gerente de vendas, desempregada, ela agora dedica-se a serviços prestados de cama...

Charge de Gerson Kauer

Assédio no quartel

 

Assédio no quartel

Ao elaborar as escalas de trabalho, o superior hierárquico tinha como um de seus objetivos que a simpática e recém recrutada soldado da Brigada Militar se transformasse no “anjinho celestial” dele. Custou caro!

Gerson Kauer

Impasse conjugal

 

Impasse conjugal

O cidadão sofreu grave acidente de trânsito e sua masculinidade foi danificada. O médico assegurou-lhe que a ciência moderna poderia devolver a virilidade, mas que o seguro-saúde não cobriria o procedimento. A esposa teve decisiva participação na decisão.