Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 12 de Fevereiro de 2016

O lugar do crucifixo



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nos anos 70, na comarca gaúcha de Tupanciretã, ali assumiu um juiz defensor da laicidade do Estado brasileiro. Um de seus primeiros atos foi determinar a imediata retirada do crucifixo que adornava a sala de audiências.
 
O magistrado chamou o escrivão e, em tom irônico -  apontando para o crucifixo que, havia duas dezenas de anos, estava afixado na parede -  questionou:
 
- Quem é esse aí?...
 
- Ué, é Jesus crucificado - respondeu, com desconforto, o servidor.
 
- Retire-o imediatamente! - ordenou o juiz, curto e grosso.
 
Econômico nos detalhes da determinação, o magistrado acrescentou apenas que "isso é coisa para igreja, estamos em um foro judicial  e, ademais, aqui mando eu, que sou praticante do agnosticismo e defensor da laicidade".

O escrivão cumpriu a ordem imediatamente, mas - cauteloso - fez a comunicação de estilo, por ofício, ao presidente do TJRS da época. "O doutor juiz, recém chegado, falou-me em laicidade e agnosticismo, mas eu não sei o que é isso" - escreveu o servidor cartorário.
 
O crucifixo, enrolado em papel de seda, ficou guardado numa gaveta chaveada. E a presidência do TJRS não respondeu o ofício.
 
Ainda surpreso, algumas semanas depois o  escrivão foi buscar aconselhamento com um magistrado (Antonio Carlos Stangler Pereira), de comarca vizinha. O servidor queria também aculturar-se e saber o que era laicidade e agnosticismo - palavras pouco usadas na cidade.
 
O juiz Stangler abriu um livro de Teologia e mostrou as definições para o servidor:
 
Laicidade é “doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das Igrejas do exercício do poder político e/ou administrativo”.
 
Agnosticismo é “posição metodológica pela qual só se aceita como objetivamente verdadeira um proposição que tenha evidência lógica satisfatória; atitude que considera fútil a metafísica; doutrina que ensina a existência de uma ordem de realidade incognoscível”.
 
O escrivão entendeu pouco, mas retornou conformado a Tupanciretã.
 
O juiz agnóstico foi transferido, a pedido, um ano depois para outra comarca. Só então o presidente do TJRS respondeu, ao Foro de Tupanciretã,  o ofício de 12 meses antes.
 
A resposta foi curta, sem ser grossa: "o senhor escrivão deve recolocar o crucifixo em seu lugar de destaque, de onde aliás nunca deveria ter saído".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os advogados pamonhas

 

Os advogados pamonhas

Aborrecido de ver petições avaliadas e despachadas pela ´estagiariocracia´ e/ou pela ´assessorcracia´, profissional da Advocacia dedica um tópico inteiro na apelação para explicar como se faz a pamonha: uma iguaria de milho oriunda da culinária indígena. O acórdão passou em branco sobre a provocação.

O juiz que não gostava de processos

 

O juiz que não gostava de processos

Depois de tanto ´empurrar para adiante´ a solução do litígio judicial, o magistrado leu surpreso o que não esperava que um dos advogados escrevesse em letras vermelhas: “As partes já cansaram de dizer; por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

 

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

Até o juiz que julgou extinto o executivo fiscal se emocionou, no final, com a petição que alfinetava o credor. Magistrado escreveu que “Deus tenha acolhido a alma do suposto devedor e que o credor conforme-se com o insucesso executivo”.

Uma esmola de 300 reais

 

Uma esmola de 300 reais

O desfecho inusitado de uma audiência na Justiça do Trabalho. O aquinhoado reclamado aceita a solução conciliatória sugerida pelo magistrado, tira o dinheiro do bolso e ofende: “Dou trezentos pilas para esse morto de fome”...

O inimigo secreto

 

O inimigo secreto

Como a festa de troca de presentes no Natal de 2014, entre 20 integrantes de uma grande banca advocatícia gaúcha, se transformou num caso judicial. Resultado: a condenação de um advogado a indenizar uma estagiária de meia idade, inapropriadamente chamada de “anta feia como o diabo”.