Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

O lugar do crucifixo



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nos anos 70, na comarca gaúcha de Tupanciretã, ali assumiu um juiz defensor da laicidade do Estado brasileiro. Um de seus primeiros atos foi determinar a imediata retirada do crucifixo que adornava a sala de audiências.
 
O magistrado chamou o escrivão e, em tom irônico -  apontando para o crucifixo que, havia duas dezenas de anos, estava afixado na parede -  questionou:
 
- Quem é esse aí?...
 
- Ué, é Jesus crucificado - respondeu, com desconforto, o servidor.
 
- Retire-o imediatamente! - ordenou o juiz, curto e grosso.
 
Econômico nos detalhes da determinação, o magistrado acrescentou apenas que "isso é coisa para igreja, estamos em um foro judicial  e, ademais, aqui mando eu, que sou praticante do agnosticismo e defensor da laicidade".

O escrivão cumpriu a ordem imediatamente, mas - cauteloso - fez a comunicação de estilo, por ofício, ao presidente do TJRS da época. "O doutor juiz, recém chegado, falou-me em laicidade e agnosticismo, mas eu não sei o que é isso" - escreveu o servidor cartorário.
 
O crucifixo, enrolado em papel de seda, ficou guardado numa gaveta chaveada. E a presidência do TJRS não respondeu o ofício.
 
Ainda surpreso, algumas semanas depois o  escrivão foi buscar aconselhamento com um magistrado (Antonio Carlos Stangler Pereira), de comarca vizinha. O servidor queria também aculturar-se e saber o que era laicidade e agnosticismo - palavras pouco usadas na cidade.
 
O juiz Stangler abriu um livro de Teologia e mostrou as definições para o servidor:
 
Laicidade é “doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das Igrejas do exercício do poder político e/ou administrativo”.
 
Agnosticismo é “posição metodológica pela qual só se aceita como objetivamente verdadeira um proposição que tenha evidência lógica satisfatória; atitude que considera fútil a metafísica; doutrina que ensina a existência de uma ordem de realidade incognoscível”.
 
O escrivão entendeu pouco, mas retornou conformado a Tupanciretã.
 
O juiz agnóstico foi transferido, a pedido, um ano depois para outra comarca. Só então o presidente do TJRS respondeu, ao Foro de Tupanciretã,  o ofício de 12 meses antes.
 
A resposta foi curta, sem ser grossa: "o senhor escrivão deve recolocar o crucifixo em seu lugar de destaque, de onde aliás nunca deveria ter saído".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Serviços (mal) prestados de cama

 

Serviços (mal) prestados de cama

O entretenimento sexual combinado pelo cachê de R$ 2 mil, e pago antecipadamente com cheque, virou caso judicial. O provecto usuário das curvas da dama da noite sustentou que “os serviços sexuais não foram proporcionados de acordo com o combinado”.

Charge de Gerson Kauer

   O advogado “baitaca ” e o oficial “embretado ”

 

O advogado “baitaca ” e o oficial “embretado

O oficial de justiça se aborreceu com uma petição que reclamou da demora da citação do réu. O servidor judicial lançou, nos autos, uma certidão gaudéria: “Sempre aprendi na vida e pelos sulcos dos caminhos / Que todo aquele afobadinho, que mete o nariz / Em coisa ou área que não lhe condiz, / Se dá mal e fica a pé no relento, / À mercê de sol, frio, chuva ou vento”.

Charge de Gerson Kauer

Tintas e cores íntimas

 

Tintas e cores íntimas

A instalação - no banheiro dos clientes de uma loja de tintas - de uma micro câmera de última geração, capaz de clarear e colorir ambientes escuros, enxergando-os e gravando-os profundamente. 

Charge de Gerson Kauer

A advogada que virou prostituta de luxo

 

A advogada que virou prostituta de luxo

Demitida do trabalho como professora de Direito, ´Simone´ fez algumas experiências de alcova para desapertar o orçamento. Seis meses depois, admite que cobra R$ 600 por hora de trabalho íntimo. A mãe dela apoia: “A minha filha optou por um caminho honesto, diante da dificuldade”. Em duas cidades gaúchas só se fala nisso.

Charge de Gerson Kauer

Doutor, devolve os honorários!

 

Doutor, devolve os honorários!

O caboclo recebe uma belíssima quantia em dinheiro, por meio de precatório, decorrência de uma demorada ação previdenciária. Meio rico, muda de cidade e vai morar a 400 km de distância. Quatro anos depois reaparece no escritório de seu advogado, para pedir a devolução de metade dos honorários contratuais.

Charge de Gerson Kauer

Constrangimentos no banheiro vigiado

 

Constrangimentos no banheiro vigiado

Ah! O íntimo e fisiológico momento dos gases... A sentença que deferiu a reparação por dano moral reconheceu “o dano à esfera íntima da obreira, em rotineiro constrangimento, em momentos tão íntimos e fisiológicos, merecendo por isso ser compensada monetariamente”.