Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

O lugar do crucifixo



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nos anos 70, na comarca gaúcha de Tupanciretã, ali assumiu um juiz defensor da laicidade do Estado brasileiro. Um de seus primeiros atos foi determinar a imediata retirada do crucifixo que adornava a sala de audiências.
 
O magistrado chamou o escrivão e, em tom irônico -  apontando para o crucifixo que, havia duas dezenas de anos, estava afixado na parede -  questionou:
 
- Quem é esse aí?...
 
- Ué, é Jesus crucificado - respondeu, com desconforto, o servidor.
 
- Retire-o imediatamente! - ordenou o juiz, curto e grosso.
 
Econômico nos detalhes da determinação, o magistrado acrescentou apenas que "isso é coisa para igreja, estamos em um foro judicial  e, ademais, aqui mando eu, que sou praticante do agnosticismo e defensor da laicidade".

O escrivão cumpriu a ordem imediatamente, mas - cauteloso - fez a comunicação de estilo, por ofício, ao presidente do TJRS da época. "O doutor juiz, recém chegado, falou-me em laicidade e agnosticismo, mas eu não sei o que é isso" - escreveu o servidor cartorário.
 
O crucifixo, enrolado em papel de seda, ficou guardado numa gaveta chaveada. E a presidência do TJRS não respondeu o ofício.
 
Ainda surpreso, algumas semanas depois o  escrivão foi buscar aconselhamento com um magistrado (Antonio Carlos Stangler Pereira), de comarca vizinha. O servidor queria também aculturar-se e saber o que era laicidade e agnosticismo - palavras pouco usadas na cidade.
 
O juiz Stangler abriu um livro de Teologia e mostrou as definições para o servidor:
 
Laicidade é “doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das Igrejas do exercício do poder político e/ou administrativo”.
 
Agnosticismo é “posição metodológica pela qual só se aceita como objetivamente verdadeira um proposição que tenha evidência lógica satisfatória; atitude que considera fútil a metafísica; doutrina que ensina a existência de uma ordem de realidade incognoscível”.
 
O escrivão entendeu pouco, mas retornou conformado a Tupanciretã.
 
O juiz agnóstico foi transferido, a pedido, um ano depois para outra comarca. Só então o presidente do TJRS respondeu, ao Foro de Tupanciretã,  o ofício de 12 meses antes.
 
A resposta foi curta, sem ser grossa: "o senhor escrivão deve recolocar o crucifixo em seu lugar de destaque, de onde aliás nunca deveria ter saído".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Pernas maravilhosas

 

Pernas maravilhosas

A fábrica brasileira de calçados deu asas a um italiano. Ele era representante de empresa estrangeira que adquiria produtos fabricados na região calçadista. Mas passou a ter interesse paralelo nas pernas das empregadas da indústria...

Gerson Kauer

“Você não está filmando, né?...”

 

“Você não está filmando, né?...”

Cenas íntimas - de um casal que se formou na balada - pulularam na Internet. Depois virou caso judicial, com ações penal e cível. No julgamento desta, o juiz registrou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o parceiro sexual autorizado à divulgação posterior.

Gerson Kauer

O “Doutor Encoxador”

 

O “Doutor Encoxador”

Segundo a denúncia na ação penal, “o médico ordenava que as pacientes mantivessem respiração ofegante, também encoxando-as, enquanto introduzia sobre seus seios uma de suas mãos, alegando ser necessário para o perfeito exame de toque aferidor dos pulmões”.

Gerson Kauer

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

 

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

Tarde escaldante, juiz, advogados, partes e serventuário tomam fôlego e levam adiante uma audiência conciliatória. O magistrado logo pergunta à autora da ação: “O seu nome está correto?...”

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...