Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

OAB quer conhecer o texto do anteprojeto de lei que pode alterar a Loman



Imagem da Matéria

O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, enviou ontem (1º) ao ministro do STF, Ricardo Lewandowski, ofício solicitando o encaminhamento à OAB da versão atual do anteprojeto de lei que trata da nova Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman).

O objetivo da entidade "é propiciar à OAB prosseguir com os estudos dos pontos centrais que a Advocacia considera fundamentais para tratamento no futuro diploma".

A Loman (Lei Complementar nº 35/1979) é anterior à Constituição de 1988 e à criação do CNJ em 2004, e por isso, muitos pontos precisam ser atualizados. Ainda assim, a ideia não agrada a todos os setores da magistratura, segundo as três maiores associações nacionais de juízes.

Elas acreditam que, caso a nova Loman vá para o Congresso Nacional em um futuro próximo, há risco de os parlamentares derrubarem direitos como férias de 60 dias e aposentadoria remunerada como máxima punição administrativa. Estes dois pontos se constituem em reclamos da sociedade.

Nos anos 2000, as entidades que congregam a magistratura participaram ativamente da discussão de uma nova Loman, criando, inclusive, comissões para estudar o assunto. As propostas eram encaminhadas para o STF, responsável por reunir e consolidar as informações. A movimentação mais recente nesse sentido ocorreu entre 2007 e 2009, quando o STF fez uma comissão para tratar da Loman e recebeu as últimas contribuições das associações de juízes.

Eis a íntegra do documento enviado pelo presidente nacional da OAB:

Ofício n. 17/2012/GOC-COP.                                           

Ao Exmº Sr.

Ministro Ricardo Lewandowski

Supremo Tribunal Federal

Brasília - DF

Assunto: Lei Orgânica da Magistratura Nacional.

Encontra-se em debate no Egrégio Supremo Tribunal Federal, sob a relatoria de V.Exª, o anteprojeto de lei da nova Lei Orgânica da Magistratura Nacional.

Em razão das observações registradas nesta data, em sessão plenária deste Conselho Federal, tenho a honra de solicitar os bons préstimos de V.Exª no sentido do encaminhamento do referido projeto à Ordem dos Advogados do Brasil, em sua versão atual, considerando a importância do desenvolvimento de estudos da Entidade no tocante aos temas básicos e pontos centrais que a advocacia considera fundamentais para tratamento no futuro diploma.

Com o intuito de contribuir para o aperfeiçoamento das instituições democráticas e a administração da Justiça, concomitantemente com a remessa que se anuncia iminente do referido projeto ao Poder Legislativo, colho o ensejo para renovar os protestos de elevada estima e distinta consideração.

Atenciosamente,

Ophir Cavalcante Junior, presidente.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cartunista Jota.A

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

 

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

A “rádio-corredor” da OAB-RJ criou, este ano, pertinente potim sobre um dos mais repugnantes penduricalhos que abençoam magistrados, membros do Ministério Público, conselheiros dos tribunais de contas e outros apaniguados. Segundo a entidade “o auxílio-moradia para quem já tem casa é o mesmo que pagá-lo para a tartaruga”. Rememore as principais charges que criticaram a aberração.

Duas mulheres farão parte da nova administração do TJRS

Essa dupla presença feminina é inédita no alto comando, em toda a história da corte estadual gaúcha. Para a presidência foi eleito o favorito: desembargador Luiz Felipe Silveira Difini. Ele venceu por 95 x 39 votos.

Tendência punitivista da magistratura brasileira

Pesquisa realizada pela AMB revelou também que a instituição em que os juízes mais confiam é a Polícia Federal. A OAB está na 10ª posição, numa relação de 14. Os úitimos são o Congresso Nacional e o Governo Federal.

Arte de Camila Adamoli

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

 

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

Irregularidade foi suscitada pela Defensoria Pública do RS, que juntou as gravações de áudio do ato. O TJ gaúcho cassou a sentença proferida por juiz que se ausentou durante a coleta da prova testemunhal. Corregedoria-Geral da Justiça já está ciente. Com a nulidade, o réu – acusado de homicídio – teve que ser posto em liberdade.