Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

Autorizada a cremação de corpo de jovem morto em acidente há quatro anos



A 1ª Câmara Cível do TJRS autorizou a cremação do corpo de jovem que tinha 20 anos de idade, ao falecer em janeiro de 2008 em decorrência de acidente de trânsito em via pública de Canoas.

Em 2010, os seus pais solicitaram à Justiça a autorização prevista na Lei dos Registros Públicos. Argumentaram que não possuem condições financeiras para continuar arcando com a manutenção e aluguel de um jazigo, bem como a impossibilidade de comprá-lo em visto do alto custo.

A Justiça local entendeu que a autorização seria desnecessária já que a legislação municipal prevê a possibilidade de incineração dos restos mortais mediante o consentimento da família e a passagem de três anos.  Da decisão, houve recurso ao Tribunal de Justiça.

Considerou o desembargador Jorge Maraschin dos Santos, relator, que a necessidade de autorização judicial decorre do art. 77 da Lei dos Registros Públicos (Lei nº 6.015/73). No caso, afirmou, "o interesse de saúde pública está presente, pois os autores não possuem condições de manter o aluguel do jazigo e, desse modo, a alternativa única e digna dos autores é a cremação".

O julgado observou ainda que conforme constatou o procurador de justiça que atua junto ao colegiado, Paulo Valério dal Pai Moraes, o município de Canoas não conta com serviço de cremação, e, "na prática, somente com autorização judicial é que será possível a cremação em São Leopoldo".

O dispositivo legal afirma que "a cremação de cadáver somente será feita (...) no interesse da saúde pública e (...) e, no caso de morte violenta, depois de autorizada pela autoridade judiciária".

O advogado Glauber Barela Longoni atua em nome do casal autor da ação. (Proc. nº 70044387116 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Veja o vídeo em que presidente da AMP-RS ataca a OAB

Gravação feita durante evento organizado pela Ajuris mostra também a afirmação feita pelo promotor Sérgio Hiane Harris, dizendo que o prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior “votou a favor da corrupção”.

Cresce número de estagiários com mais de 40 anos

Em Mato Grosso, 6.504 pessoas se habilitaram no Poder Judiciário do Estado, sendo 224 acima da casa dos 40 anos; desses, 44 foram aprovados. O índice de candidatos com mais idade cresceu 15% de 2014 para 2015; e 21% em 2016.

Improbidade administrativa de duas estagiárias

Elas iludiam clientes da Caixa Federal, para fazer saques ilícitos em contas-correntes. O STJ definiu que “os estagiários que atuam em órgãos e entidades públicas, ainda que de modo transitório, com ou sem remuneração, podem ser classificados como agentes públicos”.