Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 20 de Junho de 2017

Autorizada a cremação de corpo de jovem morto em acidente há quatro anos



A 1ª Câmara Cível do TJRS autorizou a cremação do corpo de jovem que tinha 20 anos de idade, ao falecer em janeiro de 2008 em decorrência de acidente de trânsito em via pública de Canoas.

Em 2010, os seus pais solicitaram à Justiça a autorização prevista na Lei dos Registros Públicos. Argumentaram que não possuem condições financeiras para continuar arcando com a manutenção e aluguel de um jazigo, bem como a impossibilidade de comprá-lo em visto do alto custo.

A Justiça local entendeu que a autorização seria desnecessária já que a legislação municipal prevê a possibilidade de incineração dos restos mortais mediante o consentimento da família e a passagem de três anos.  Da decisão, houve recurso ao Tribunal de Justiça.

Considerou o desembargador Jorge Maraschin dos Santos, relator, que a necessidade de autorização judicial decorre do art. 77 da Lei dos Registros Públicos (Lei nº 6.015/73). No caso, afirmou, "o interesse de saúde pública está presente, pois os autores não possuem condições de manter o aluguel do jazigo e, desse modo, a alternativa única e digna dos autores é a cremação".

O julgado observou ainda que conforme constatou o procurador de justiça que atua junto ao colegiado, Paulo Valério dal Pai Moraes, o município de Canoas não conta com serviço de cremação, e, "na prática, somente com autorização judicial é que será possível a cremação em São Leopoldo".

O dispositivo legal afirma que "a cremação de cadáver somente será feita (...) no interesse da saúde pública e (...) e, no caso de morte violenta, depois de autorizada pela autoridade judiciária".

O advogado Glauber Barela Longoni atua em nome do casal autor da ação. (Proc. nº 70044387116 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Comparação publicitária permitida

Briga de gigantes. Sentença e acórdão confirmados pelo STJ. A ação de violação de marca foi proposta pelas associadas Gilette e Procter & Gamble. Elas buscavam fazer cessar o uso da marca Duracell nas pilhas Rayovac, fabricadas pela Microlite.

A política ainda é possível?

Painel a ser realizado pela Ajuris questionará dois ex-governadores do RS e um doutor em Ciência Política. Evento será aberto ao público.

Os “momentos difíceis” da família Batista

A jornalista Ticiana Villas Boas, esposa de Joesley Batista, diz que ela e a família passam “momentos difíceis”. Enquanto isso, os irmãos Batista compram um G-650, o jato executivo mais rápido e caro do mundo, vendido por US$ 74 milhões.

Bloqueio judicial de R$ 800 milhões de Joesley Batista

A decisão do juiz da 5ª Vara Federal de São Paulo alcança o suposto lucro do acionista da JBS com a venda de dólares, às vésperas da divulgação da gravação com o presidente Michel Temer.