Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 03 de Julho de 2015

Transportadora é condenada por dispensar motorista portador de HIV


A 1ª Turma do TST rejeitou agravo da Vix Logística S/A, empresa do Estado do Espírito Santo,  por concluir configurada a dispensa arbitrária e discriminatória de ex-motorista portador do vírus HIV. Com a decisão, fica mantida a condenação imposta à empresa de pagar indenização por danos morais no valor de R$ 150 mil à viúva e aos herdeiros do trabalhador.
 
Segundo o julgado, o ato patronal deve ser reparado, com fundamento nos artigos 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal, e 186 e 927 do Código Civil de 2002.

Sem êxito nas outras instâncias trabalhistas, o recurso da Vix chegou ao TST. Em todas as fases do processo, a empresa insistiu no argumento de que "a dispensa ocorreu por necessidade de contenção de despesas, motivo também de várias outras demissões no seu quadro de funcionários, não estando, portanto, vinculada à doença que o acometera".

A ação de reparação por danos morais foi ajuizada pelo trabalhador logo após a demissão.
 
Na Vix, ele exerceu, inicialmente, a função de motorista de veículo leve no transporte de funcionários da Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) em Vitória (ES). Em 2001, após sentir-se mal, procurou vários tratamentos médicos até se submeter ao teste anti-HIV, com resultado positivo. Em meados de março de 2003, começou a sentir os primeiros sintomas da doença, e seu estado clínico se agravou.

Com o objetivo de receber algum auxílio da empresa, ele informou aos superiores que era portador do vírus HIV e necessitava de tratamento. De início, de acordo com o motorista, a Vix mostrou-se sensibilizada, tendo até contribuído com os custos do tratamento.
 
Pouco tempo depois, o trabalhador passou a apresentar visíveis sintomas da doença, como magreza e escoriações na pele, e teve de se afastar do trabalho para se tratar. Por isso, foi deslocado para trabalhar na garagem, como assistente operacional. Mas em novembro de 2004 foi dispensado e, depois,  conseguiu numa empresa de transportes em São Caetano do Sul (SP).
 
Na Justiça do Trabalho, postulou, além da reintegração ao trabalho, a condenação da Vix ao pagamento dos salários e demais vantagens da data da demissão até a reintegração, e reparação por danos morais no valor de R$ 300 mil.

A sentença concedeu os pleiteados R$ 300 mil de indenização e a procedência da ação foi mantida no TRT-ES; mas o valor foi reduzido para R$ 150 mil, a ser pago à viúva e aos herdeiros, diante do falecimento do motorista em abril de 2008.

No TST, ministro Walmir Oliveira da Costa, ao relatar o recurso da empresa, destacou precedentes da Corte quanto à configuração da dispensa arbitrária, por ato discriminatório, de empregado portador do vírus HIV que amparam o acórdão regional.
 
O advogado Marcos Antônio de Araújo  atuou em nome do motorista que veio a falecer e segue representando os interesses do espólio. (AIRR nº 188840-33.2006.5.17.0010 - com informações do TST e da redação do Espaço Vital).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Comentário "agressivo e grosseiro"

O STJ mantem a indenização a ser paga pelo humorista Rafinha Bastos, à cantora Wanessa Camargo, ao marido dela e ao primeiro filho do casal.

Arte EV

Universidade indenizará aluna ofendida por professor

 

Universidade indenizará aluna ofendida por professor

TRF-4 condena a Universidade Federal de Pelotas por incidente ocorrido na Faculdade de Agronomia. Durante aula de Química, estudante foi chamada de “chata, baixinha, pobre e feia”. Conheça a íntegra da sentença (improcedência) e o voto da relatora, mudando o desfecho da ação.

Ministro do STF perde ação contra jornalista

Gilmar Mendes sentiu-se ofendido por alguns conteúdos do livro “Operação Banqueiro”, sobre os bastidores da operação da Polícia Federal que investigou Daniel Dantas.