Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

Guarda municipal baleado em serviço receberá indenização



Por maioria de votos, a 7ª Turma do TST deferiu indenização por dano moral a um guarda civil do município de São Caetano do Sul (SP) que teve a capacidade de trabalho reduzida e ficou com uma cicatriz de cerca de 20 cm ao ser baleado - em serviço - no ombro direito.
 
Na avaliação da Turma, o risco inerente à função de guarda civil dispensa a existência ou não de culpa do empregador e justifica a sua responsabilidade objetiva.

Em decisão anterior, o TRT da 2ª Região (SP) havia absolvido o município, com o entendimento de que "a função de guarda, como muitas outras, compreende vasta gama de riscos".
 
Inconformado com essa decisão, o empregado recorreu ao TST, sustentando que, independentemente de dolo ou culpa, o município deveria responder pelos danos que sofreu, pois desempenhava atividade perigosa, tanto que era obrigado a envergar colete a prova de balas, tinha porte de arma e usava cassetete.

A relatora ministra Delaíde Miranda Arantes lhe deu razão, reformou a decisão regional e condenou São Caetano do Sul ao  pagamento de indenização por danos moral e material, em valor que deverá ser fixado pelo primeiro grau.
 
Segundo a relatora, o valor não pode ser arbitrado no TST porque para se avaliar a dimensão dos prejuízos infligidos ao empregado é necessária apreciação dos fatos e provas constantes do processo, o que é vedado ao TST pela Súmula nº 126.
 
O advogado Marcos Antônio Nunes atua em nome do trabalhador. (RR nº 197440-23.2007.5.02.0472).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Indenização milionária para desembargadores

Seis magistrados cariocas foram autores de ação contra o Google por manter “informações falsas e xingamentos”. Condenação ampliada pelo TJ-RJ supera os R$ 26 milhões (cálculo extraoficial).

Indenização para aluno submetido a revista constrangedora na escola

Após o desaparecimento de R$ 900 da mochila de uma aluna, 200 alunos do sexo masculino, foram submetidos a revista pessoal por PMs. Os estudantes foram obrigados a erguer as camisetas à altura do pescoço e abaixar as calças e bermudas, inclusive as cuecas, até a altura dos joelhos.